A poltrona que todo pai merecia ter!

A poltrona que todo pai merecia ter!

Com o dia dos pais se aproximando, um clássico presente nos vem à mente: a poltrona do papai. Esse ano, a Poltrona Mole ícone do design brasileiro, completa 60 anos e merece nossa homenagem no mês dos pais.

Em 1957 o arquiteto e designer carioca Sérgio Rodrigues foi contratado pelo fotógrafo Otto Stupakoff, o qual queria um móvel para “se refestelar feito um sultão.”

Ao projetar a poltrona, Sérgio assumiu clara oposição aos pés palitos (recorrentemente usados na época) adotando uma estrutura robusta (quase inflada) de jacarandá, cujos encaixes e as amarrações em percintas de couro, tão minimamente projetados, já poderiam ser considerados uma obra de arte por si só. Para completar, um generoso e desajeitado “almofadão em tecido grosso com possibilidade de couro”, parecia se derreter sobre essa estrutura.

O resultado final? Uma poltrona que escancara – e não só sugere – a ideia de entregar-se, esparramar-se.

A descontraída poltrona Mole parecia um protesto ao estilo elegante e sizudo de suas colegas da mesma época.

Seu croqui mais famoso substitui qualquer manual de utilização.

A poltrona entrou para o hall da fama quando ganhou o prêmio no IV Concurso Internacional do Móvel de Cantú, na Itália, em 1961, e desde então, acumula títulos e habita museus, mostras, edifícios corporativos e residências em todo o mundo. a 60

Para celebrar os 60 anos da poltrona, a loja dpot lançou a Mole 57. A produção, limitada a 60 exemplares, possui um selo comemorativo gravado a laser, aplicação de folha de ouro e está numerada de 1 a 60.

Versões da poltrona Mole e bancos Mocho na loja dpot da Alameda Gabriel Monteiro da Silva, em São Paulo (SP). O espaço é de autoria de Isay Weinfeld.

A Lin Brasil, empresa especializada nas obras do designer brasileiro, também lançou uma edição comemorativa da peça no Salão do Móvel de Milão deste ano.

Na decoração, por sua imponência e porte robusto, a Mole é geralmente usada em ambientes amplos. Seja posicionada em um canto ou centralizada, ela surge sempre em destaque.

Falecido em 2014, Sérgio Rodrigues foi autor de um verdadeiro legado do mobiliário brasileiro. Entre suas criações estão ainda as poltronas Diz, Chifruda, Kilim e Oscar, o banco Mocho, entre tantos outros.

Ariella de Paula
Arquiteta e Designer de Interiores

Contatos:

(16) 98141-2894
Instagram: @arquitetaariella

Fotos: Reprodução

No Comments

Leave a Comment